sexta-feira, 4 de novembro de 2016

Justiça amiga!


Se quiser, o Supremo Tribunal Federal (STF) julgará ainda este ano o primeiro processo que o senador Renan Calheiros (PMDB-AL) responde ali. Mas dificilmente haverá de querer.
O presidente Michel Temer não quer que se mexa com Renan até ele deixar a presidência do Senado em fevereiro próximo. Precisará dele para ajudar na aprovação de medidas econômicas do governo.
Renan responde a 11 inquéritos, oito dos quais relativos à Lava-Jato. É acusado de receber propinas de contratos da Petrobras, das obras da usina Angra 3, de Belo Monte e da Transpetro.
Desde agosto passado está pronta para ser julgada a primeira denúncia aceita pelo STF contra ele. Trata-se do caso da empreiteira Mendes Júnior que pagou pensão à uma ex-amante de Renan.
O senador diz que foi ele que pagou. Um lobista da empreiteira apenas teria adiantado o pagamento. Mas a Procuradoria Geral da República não se convenceu da história contada por Renan.
O mais provável é que Renan só seja julgado no próximo ano. Quando quer, o STF também se comporta como um tribunal político.
Por Ricardo Noblat
Postar um comentário