sábado, 27 de agosto de 2016

Está chegando a hora!


Lula, ontem, estava coberto de razão quando comentou com senadores do PT que com ele se reuniram no aeroporto de Brasília:
- Nem nos piores momentos da minha vida eu imaginei que aconteceria o que está acontecendo hoje.
O que aconteceu: ele e sua mulher, Marisa Letícia, foram indiciados pela primeira vez pela Operação Lava-Jato, em Curitiba. São suspeitos de terem recebido R$ 2,4 milhões em benesses da OAS, empreiteira envolvida no escândalo da Petrobras.
Foi a OAS que reformou o tríplex do Guarujá que Lula desistiu de ocupar depois que o fato foi descoberto. Segundo Léo Pinheiro, presidente da OAS, o preço do tríplex seria deduzido do dinheiro de propina que a empreiteira devia ao PT – e Lula sabia disso.
Aconteceu alguma coisa mais para justificar o comentário amargo de Lula? Certamente a proximidade do desfecho do processo de impeachment de Dilma, que deverá ter o mandato cassado e os direitos políticos suspensos por oito anos.
Talvez ele ainda alimentasse algum vestígio de esperança de que o impeachment pudesse ser revertido. Agora, não mais. Se no início do processo Dilma contou com 22 votos para absolvê-la de um total de 28 necessários, perdeu alguns. É possível que só lhe restem 18.
O poder escapou à órbita do político que presidiu o país durante oito anos, fez seu sucessor e reelegeu-o. Esperava voltar a se eleger em 2018 e – quem sabe? – reeleger-se em 2022. Está ameaçado de ser preso e condenado. Sete em cada 10 brasileiros o rejeitam.
E pior: Lula sabe que o principal responsável pela situação que enfrenta é ele mesmo. Foi ele e mais ninguém que construiu o caminho que o levou da glória ao final trágico. Que história, a dele!
Sobreviveu à seca do Nordeste e à fome de São Paulo quando jovem.

Não sobreviveu às seduções do poder.
Por Ricardo Noblat
Postar um comentário